Connect with us

ÉNotícia

Uece produz embriões clones de veado-catingueiro, em risco de extinção em alguns estados

Publicado

on

O Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução (LFCR) da Universidade Estadual do Ceará (Uece), com apoio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), produziu embriões clones do veado-catingueiro, em risco de extinção em alguns estados brasileiros. A pesquisa foi publicada no periódico internacional Cellular Reprogramming.

O veado-catingueiro é uma pequena espécie de cervídeo neotropical, pesando em torno de 18 kg e com altura média de 50 cm. A espécie se distribui ao sul da região amazônica até o Uruguai e a porção central da Argentina, ocupando o leste das regiões pré-andinas da Bolívia e Argentina até a costa Atlântica do Brasil.

“Em alguns estados, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, a espécie é considerada em risco de extinção. Este trabalho tem grande importância, pois confirma que a transferência nuclear de células somáticas interespecífica (TNCSi) pode ser ferramenta útil na conservação de espécies”, destaca o pesquisador do LFCR e professor da Faculdade de Veterinária (Favet/Uece), Vicente Freitas.

Com o objetivo de ajudar na conservação desta e de outras espécies de cervídeo encontradas no Brasil, o Laboratório realiza pesquisas sobre o uso da TNCSi, ou seja, a clonagem de indivíduos utilizando células da pele do veado-catingueiro e óvulos de animais domésticos (vacas e cabras). “A importância desta técnica é obter a clonagem sem a necessidade de colher óvulos de uma espécie silvestre de difícil manejo e com uma população diminuta”, explica Vicente.

Neste trabalho foram obtidos os primeiros embriões clones de um cervídeo neotropical. Utilizando óvulos de cabras chegou-se até ao estágio de mórula (primeiro estágio da embriogênese), enquanto ao usar óvulos de vacas, os embriões se desenvolveram mais e alcançaram o estágio de blastocisto, isto é, momento adequado para realizar a transferência para o útero de uma fêmea receptora.

O trabalho foi parte da tese de Lívia Magalhães, que realizou seu doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias (PPGCV/Uece), sob orientação do professor Vicente Freitas e coorientação do professor José Maurício Barbanti Duarte (UNESP).

Com informações da Ascom Uece

Compartilhe

Anúncios

https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2020/08/Mercantil-Bom-Preco.jpg
Mercantil Bom Preço
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2021/02/Viviane-Carlos.jpg
Viviane Carlos
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2020/08/AFAGU-Itapiuna.jpg
AFAGU Itapiúna
https://avozdobem.com/wp-content/uploads/2017/10/ceacri1.jpg
ceacri1
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2020/12/papel-e-cor.jpg
papel-e-cor
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2020/08/Michely-Arcelino-.jpg
Michely Arcelino
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2019/12/Farmácia-Drogagildo-1.png
Farmácia Drogagildo
https://avozdobem.com/wp-content/uploads/2017/10/calçadão.jpg
Calçadão das Variedades
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2020/08/Supermercado-AR-Santos.jpg
Supermercado AR Santos
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2019/07/JLE-.png
JLE
https://www.avozdobem.com/wp-content/uploads/2019/03/plasa.png
plasa
×