Macrophyes pacoti: assim foi batizada a nova espécie de aranha descoberta no Maciço de Baturité, sob orientação do professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) Jober Sobczak, contando com a também professora Jullyana Sobczak, o bolsista de iniciação científica Ageu Nóbrega, do curso de Biologia, e o mestrando em Ecologia e Recursos Naturais (UFC) Ítalo Arruda. O nome da espécie faz referência a Pacoti/CE, município da região do Maciço de Baturité, numa forma de homenageá-lo por cuidar das florestas.

A descoberta foi divulgada em artigo na revista internacional Zootaxa, em parceria com pesquisadores do Instituto Butantan e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Já o fomento para realizá-la veio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), por meio de edital Bolsa de Produtividade em Pesquisa, Estímulo à Interiorização e à Inovação Tecnológica (BPI), e também do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Hymenoptera Parasitoides da Região Sudeste Brasileira (INCT-Hympar).

Macrophyes Pacoti

A nova espécie foi descrita com aranhas coletadas em Pacoti, porém, sua distribuição vai até o Rio de janeiro. Outro ponto abordado no artigo é a interação com o fungo Gibelulla sp., um fungo que ataca aranhas no mundo todo. “Observamos muitas aranhas parasitadas e agora estamos investigando os mecanismos adotados pelo fungo para interagir com a aranha. Já sabemos que o fungo é capaz de alterar o comportamento da aranha, deslocando aranhas parasitadas para morrerem em cima das aranhas não parasitadas, o que facilitaria a infecção de novas aranhas com os esporos do fungo”, explica Jober Sobczak.